Itacaré Bahia Brasil

Porto dos Casais - Pousada
Facebook
Twitter
Blog
Email
BUSCA
 
ITACARÉ, BAHIA
• A cidade de Itacaré
• História
• Cultura e folclore
• Capoeira
• Vida noturna
• Gastronomia
• Artesanato
• Instituições, Associações, ONG's
• Hotéis e pousadas
• Casas para alugar
• Imóveis a venda
• Shows e eventos
PLANEJE
SUA VIAGEM
• Como chegar
• Onde se hospedar
• Onde comer e sair
• Transportes
• Agencias de turismo
• Mapas
• Previsão do tempo
• Previsão das ondas
• Tábua das marés
CONTATO
• Central de e-mail
• Contatos úteis
ITACARE.COM
• Como anunciar
• Página inicial
 
CULTURA E FOLCLORE
A cada esquina de Itacaré se revive cenas típicas da cultura baiana. O povo expansivo, as cores, a Igreja no alto, o farol, a capoeira, a ginga, o acarajé, o sol, o calor humano.

Representando bem essa história a Casa do Boneco, associação cultural atuante em Itacaré há 20 anos, inaugurou em 2010 a Fazenda Modelo Quilombo D´Oiti baseado no turismo étnico de base comunitária, nas margens do Rio de Contas. Lá pode-se “experienciar” a história, os hábitos e o dia-a-dia das comunidades quilombolas da região.

Já em Taboquinhas, zona rural do município, jovens do distrito levam você para um curioso passeio pela trilha dos tropeiros que escoavam a produção de diamantes da Chapada Diamantina até o vilarejo de São Miguel da Barra do Rio de Contas, hoje a cidade de Itacaré.

Aqui a população se reforça para resgatar as tradições culturais da Bahia. Várias festas folclóricas animam regularmente as ruas da cidade. Não são espetáculos exclusivos para turistas, pelo contrário, as festas são organizadas pelo povo de Itacaré para o povo de Itacaré.

No distrito de Taboquinhas, à beira do Rio de Contas, manifestações da cultura popular ainda resistem ao tempo como é o caso da marujada – dança que representa a vida dos pescadores e suas esposas - e do samba de roda.

No bairro Porto de Trás (quilombo urbano) a apresentação folclórica do “bicho e o caçador” envolve toda a comunidade e representa o amor dessa gente pela natureza e contra os caçadores que ainda insistem em explorar as matas.

A noite da Pituba é o ponto de encontro certo entre os locais e os turistas. Numa integração completa, no verão a rua se transforma num grande calçadão com comércio variado, bares, restaurantes, rodas de capoeira e muita, muita música e diversão.

Já num breve passeio pelo Centro Histórico da cidade e a história se apresentam nos casarios da época de ouro do cacau e do óleo de baleia utilizado em muitas paredes construídas entre as décadas de 30 e 40 e que ainda podem ser vistas.

Para incentivar a comunidade várias Associações Culturais locais se formaram colaborando para a preservação dessas manifestações culturais.

FESTAS JUNINAS

As Festas Juninas são manifestações culturais e folclóricas muito fortes em Itacaré, bem como em todo o Norte e Nordeste brasileiro. Essa tradição tem sua origem mais remota nos países no hemisfério norte e indicava o início do verão e, conseqüentemente, das colheitas. Desde os tempos pagãos a data é comemorada com fogueira, dança, música e muita comida.

Somente no século VI o catolicismo passou a associar esta celebração ao dia de São João e no século XIII os portugueses incluíram São Pedro e Santo Antonio nas festividades. No Brasil a data é comemorada desde 1583.

Em Itacaré, durante todo o mês de junho, dá pra sentir no ar o clima de festa. Cada bairro se organiza e constrói seu “arraiá” onde se dança muito forró e é possível experimentar uma série de iguarias como: licor de jenipapo, canjica, munguzá e tantos outros.

Os moradores montam fogueiras em frente a maioria das casas e na orla (Praia da Coroinha) uma fogueira gigante é alimentada incessantemente pelos moradores durante o mês de junho inteiro. As ruas enfeitadas por balões e bandeirinhas se misturam às roupas estampadas com motivos florais, próprias para dançar as quadrilhas – normalmente comandadas por um mestre de cerimônia, originárias de uma dança francesa chamada “quadrille”.

Os “caretas”, crianças e jovens vestidos com macacões feitos de chitão e com máscaras misteriosas fazem a festa nas ruas da cidade.

Resumindo, trata-se de uma das comemorações mais alegres do ano e, portanto, se estiver em Itacaré, não deixe de participar!

Além disso, as raízes culturais e folclóricas na Bahia, de forma geral, estão intimamente ligadas à cultura negra trazida para estas terras através dos escravos. Nesse sentido, temos três grandes berços: a Capoeira, a Gastronomia e o Candomblé.

CAPOEIRA

A Capoeira é a pura expressão da cultura afro-brasileira. Os grupos mais tradicionais da cidade são os Filhos de Zumbi e Tribo do Porto. Todos eles praticam a Capoeira Regional e organizam treinamentos diários, apresentações públicas nos fins de semana e são frequentados por muitas crianças e jovens e abertos os visitantes, inclusive para cursos.

CANDOMBLÉ

Sexta-feira é dia de branco na Bahia. É isso mesmo, adeptos ou não do Candomblé, já é quase uma tradição vestir-se de branco às sextas-feiras, em homenagem a Oxalá que, no sincretismo, representa Jesus Cristo. Independente de raça ou classe social, este e outros costumes trazidos pela religião afro já estão incorporados ao dia-a-dia dos baianos.

O Candomblé é um antigo culto que tem como objetivo a adoração aos Orixás, considerados “espíritos da natureza” e provenientes dos 4 elementos: terra, fogo, água e ar.

No início da colonização, os rituais de Candomblé eram praticados nas próprias senzalas e nos terreiros das fazendas, onde trabalhavam os escravos africanos e seus descendentes. O mais antigo terreiro da Bahia é conhecido como Engenho Velho ou Casa Branca, em atividade há mais de 450 anos, na cidade de Salvador.

Cada orixá tem seu correspondente na Igreja Católica, com suas características próprias, como: dia da semana, cores, vestes, saudações e comidas. Domingo é dia de todos os Orixás. Identifique-se com um e reze para ele, pedindo proteção, saúde e paz acima de tudo:

Exú – mensageiro entre os homens e os orixás. Segunda-feira. Vermelho.
Ogum – abre caminhos. Terça-feira. Azul escuro. Santo Antônio.
Oxumaré – traço de união entre o céu e a terra. Terça-feira. Verde e amarelo.
Xangô – representado com machado de asas com dois gumes. Quarta-feira. Vermelho e branco. São Jerônimo.
Iansã – orixá dos ventos e tempestades. Quarta-feira. Vermelho. Santa Bárbara.
Oxóssi – verde e azul. Quinta-feira.
Logun Edé – orixá das matas, prefere a selva como morada. É caçador. Quinta-feira. Azul, verde. São Miguel.
Oxum – orixá dos raios e dos trovões, da beleza e do dengo. Sábado. Amarelo ouro.
Obá – quarta-feira. Branco e vermelho. Santa Joana D'Arc.
Omolú – Segunda-feira. Vermelho e preto. São Lázaro.
Nanã – a mais velha das orixás das águas. Terça-feira. Branco e azul. Senhora Santana.

Loko – orixá das matas e da rua, protetor dos pobres. Terça-feira. Branco. São Francisco.
Ossain – dono das folhas, é o médico do candomblé. As folhas exercem papel preponderante na mística do candomblé: no uso acentuado nos banhos e sempre presente em quase todos os seus momentos. Segunda-feira. Vermelho e azul. São Benedito.
Oxalá – é o orixá da criação e filho de Omolú. Deus supremo, representado pelo Senhor do Bonfim. Sexta-feira. Branco é a sua cor. Também conhecido como Oxalufã e Oxaguian.
Iemanjá – também conhecida como Janaína, sereia do mar, Dandalunda, rainha das águas. Sábado é o seu dia. Rosa claro e azul claro.
Ifá – orixá da adivinhação. É quem consulta o dono do terreiro e diz quem o santo escolheu para substituí-lo. Quinta-feira. Branco. Santíssimo Sacramento.

Em Itacaré, algumas das festas populares estão intimamente ligadas ao Candomblé. É o caso da Festa das Águas, que acontece todos os anos, desde 1959, no dia 2 de fevereiro – Dia de Iemanjá.

Veja o calendário das festas folclóricas na agenda de enventos de Itacaré.

 
 


 
Ecoporan Hotel Charme Spa e Eventos
Turismo CO2 Neutro
Casas na Mata
Itacaré FM
Espaço Educar
Home ITACARÉ PRAIAS SURF ECOAVENTURA HOSPEDAGEM SERVIÇOS IMÓVEIS FESTAS ARREDORES CONTATO
SUL BAHIA | Barra Grande | Taipus de Fora | Camamu | Itacaré | Serra Grande